Pages

A chuva com Núbia

Que bom é adormecer e acordar com o som dos pingos da chuva e dos pássaros cantando. Há quem diga que esses dias nublados e chuvosos são tristonhos e sem graça. Eu, particularmente, adoro, mesmo gostando muito também de sol.
Nada é melhor do que sentir uma brisa mais fresca, depois de tanto tempo derretendo de calor nessa cidade de sol intenso.
E melhor ainda é não ter que fazer nada nesses dias. Deitar, ler, dormir, etc. sem ter horários pra cumprir e coisas do gênero. Dias assim são ótimos pra relembrar, ouvir músicas que fizeram parte do seu passado, voltar a momentos importantes na sua vida, não com tristeza, mas com um sentimento feliz de ter passado por esses momentos.



A minha lembrança de hoje foi com a música Lama, da cantora Idenilde Araújo Alves da Costa, mais conhecida como Núbia Lafayete. A cantora iniciou sua carreira profissional nos anos 50 em programas de calouros, definindo-se como cantora romântica e popular, influenciando um grande número de outros grandes cantores da música popular brasileira, como Alcione, Fafá de Belém e Tânia Alves.



Vi essa música hoje no perfil de uma amiga e me fez voltar no mínimo uns 12 anos no passado, quando minha família se reunia no fim de ano pra comemorar natal e reveillon. Era só o que rolava, junto com músicas de Altemar Dutra e Agnaldo Timóteo, além do chorinho do Pixinguinha (adoro!!).


Enfim, aproveite também esses dias para se curtir um pouco e se cobrar menos. Sei que 'águas passadas não movem moinho', mas essas, com certeza, tiveram importância quando o moveu e deixaram suas marcas. O que somos hoje não é mais nada do que o reflexo do passado (minha opinião, lógico). Abraços!

My Little Toy

Acho que tinha falado para vocês que estava fazendo um Toy Art para uma disciplina da faculdade. O professor deixou a gente bem livre em relação à inspiração e aos materiais. Dessa forma, o processo foi bem simples, mas com alguns pequenos empecilhos.
A minha inspiração foi a Amy WineHouse. Já faz um tempo que gosto dela e tinha feito um desenho estilizado para fazer uma estampa de uma camiseta que ainda não rolou, bem antes mesmo de surgir esse 'boom' dos toys. Então, só fiz adaptar o desenho às minhas possibilidades (e , porque não dizer, minha força de vontade).



Como disse, tive alguns probleminhas. Primeiro: sai feito um louco atrás de uma malha fio 30 que se assemelhasse a proposta do desenho inicial, mas, juro, não encontrei. Tingir não ia rolar, então optei por comprar um tecido cor de pele. Segundo: a tinta não ficou legal no tipo de tecido que utilizei (é a vida..). Terceiro: preciso mudar de costureira. Ela realmente não respeita minhas margens de costura (#ódio). Mas, enfim, a peça saiu. Não ficou como eu queria, mas a intenção foi válida.

Eu super gosto do desenho. Pena que não posso falar o mesmo do toy. Deram a idéia de doar os toys produzidos para alguma instituição. Eu fui altamente contra. Já pensou, qual criança ia gostar de ganhar de presente um bonequinho desse?. Ela, no mínimo, ia ter uns bons pesadelos. Mas a intenção é super válida, galera. Vou tentar fazer alguma coisa mais meiga e decente para doar. Tente também, pois é uma idéia super barata, super fácil de fazer e que pode fazer feliz alguma criança humilde nesse fim de ano. Aposto que você gasta horrores com festas de confraternização e presentes para amigos. Não vai te custar nada comprar um pouco de tecido e manta acrílica. #NATALSOLIDARIO.
0

Verão + Sol + Mar = Moda Praia

A moda praia é um segmento da indústria do vestuário que vem crescendo bastante nas últimas décadas. Desde sua invenção, em 1946, pelo francês Louis Réard, o biquíni, produto mais conhecido nessa área, vem sofrendo grandes intervenções, de acordo com a época e os costumes que as caracterizaram. Essas modificações também são ocasionadas devido a grandes avanços no desenvolvimento de materiais que possibilitam maior conforto e durabilidade as peças de moda praia. Assim, diferentes fibras e maquinários surgiram, e estão surgindo, proporcionando aos consumidores uma garantia na qualidade do produto.

Um dos países que mais investe dessas inovações é o Brasil. Desde a vinda do biquíni para as ‘terras tupiniquins’, na década de 50, a industria nacional tem investido massivamente na tentativa de levar a moda do nosso país para o exterior, divulgando um pouco de nossa cultura, natureza e maneira de viver.

Hoje, o Brasil desponta no lançamento de tendências na moda praia, indo desde o tradicional biquíni, até bolsas, calçados, saídas de praia, bijuterias e etc., que complementam o look praiano. As marcas brasileiras que mais se destacam no cenário nacional e internacional são a Lenny, Água de Coco, Salinas e a Cia. Marítima, que ditam tendências em grandes semanas de moda, como a de New York, São Paulo, Milão, dentre tantas outras.

Como não poderia deixar de ser, o Ceará é um dos grandes produtores de moda praia. Sua exuberante extensão litorânea e seu clima notadamente praiano proporcionam uma maior divulgação desse tipo de vestuário, atraindo milhões de turistas em busca de diversão, sol e paisagens tipicamente brasileiras. Segundo a ABIT, ao todo, 2,3 mil empresas são voltadas ao segmento de beachwear no País e, parte delas, integram os pólos brasileiros de moda praia, como o de Itapajé (CE), Natal (RN), Salvador (BA), Brasília (DF), Vila Velha (ES), Rio de Janeiro (RJ), São José (SC) e Sarandi (PR). Todos os pólos produzem, além de sungas, maiôs e biquínis, artigos relacionados ao segmento, como cangas, saídas de praia e shorts.

Aproveite o sol, tire o biquini da gaveta e curta o verão e a democratização ditada pelas tendências.Abraços

0

Desenho de Moda - Grayson Perry

Bom, foram tantos estresses, muitos rabiscos, muita dor de cabeça, mas, enfim, o semestre está acabando e minhas merecidas férias estão batendo na minha porta. Mas, antes disso, ainda faltam alguns pequenos trabalhos, como por exemplo o da disciplina de Desenho de Moda.
Foi proposto, para cada aluno, estudar um pouco sobre a vida e obra de um ilustrador. A principio achei a idéia um pouco chata, mas depois fui gostando. Eu fiquei com Grayson Perry, conhecem? Pois é, eu não conhecia nada sobre ele. Grayson, britânico, além de ter alguns trabalhos no mundo da Moda, é um ceramista de mão cheia, dando asas a sua imaginação em suas criações em cima desse material.
O artista teve uma infância meio conturbada e isso é bem visto nas ilustrações dos seus vasos, que sempre tem temas infantilizados, com uma pegada um tanto quanto erótica e perturbadora. Ele, pasmem, se travesti, adotando o nome de Claire, que seria seu alterego, mesmo tendo mulher e filha. Segundo o mesmo, essa criação tenta suprir suas emoções infantis conturbadas, depois de uma vida difícil ao lado do pai e, depois, do padrasto.


Com tudo isso em mente, tentei absorver meio que as idéias de trabalho dele e misturá-las a esse mundo feminino que ele tanto idealiza. A proposta foi trabalhar com as cores, notadamente as primárias, que são identificadas nas cerâmicas e dar um pouco de sensualidade aos looks, apostando em transparências e pequenos comprimentos. Para dar mais a cara do artista, também optei por looks mais estruturados e por croquis com imagens mais estáticas, dando a impressão de imobilidade dos vasos.



A técnica foi bem simples. Primeiramente, fiz um brainstorming com cores e estruturas que achava interessante. Depois passei isso para o papel Cason A3 com grafite e colori com aquarela e hidrocor, finalizando com a uni pin nas partes relativas às transparências. Vocês terão que me desculpar pela qualidade das imagens dos croquis, mas, como estou doente, não deu para sair e escanear, já que locais que fazem isso em A3 são bem escassos aqui perto de casa. Enfim, espero que gostem e não os confundam com Pikachus Fashions (srrsrsrsrrs). Abraços!

0

To Lee, With Love

Passando aqui rapidinho (juro que estou quase me livrando dos trabalhos da faculdades) para deixar um vídeo impressionantemente lindo que acabei de ver. Trata-se de uma homenagem da cantora Björk e do diretor da SHOWstudio, fotógrafo, web-diretor e etc. Nick Knight para o gênio Alexander MCQueen, lançado no British Fashion Award:


O vídeo tá incrível, a música, exclusivíssima, também e é de deixar qualquer um de queixo caído, bem a cara das criações do homenageado. Eu, como não sou besta nem nada, tratei logo de fazer download do curta. Sei lá, vai que tiram do ar por algum motivo banal. rsrsrsrsr =D

Boa Noite!
0

Futurismo&Moda

Olá querid@s. Ontem foi dia de mais uma apresentação de trabalho na faculdade. Dessa vez o tema era o Movimento Futurista. Confesso que essa era uma das atividades que mais estava me tirando o sono, mas, no final das contas, deu tudo certo. #amém

Não poderia deixar de colocar aqui um pouco desse trabalho. Acho muito importante o estudo da História da Arte, mas não se nós, futuros profissionais, não colocarmos os conhecimentos adquiridos em prática. E esse foi um dos focos da apresentação: traçar um paralelo entre o surgimento do Futurismo, em 1909, e os legados que ele deixou (e ainda deixa) para o mundo da Moda.



Nós fizemos um pesquisa e descobrimos alguns estilistas que desenvolvem trabalhos inspirados nessa onda tecnológica e científica que o movimento traz. Eles, além de trazerem uma proposta super nova para a passarela, utilizam novos materiais, novas fibras, novos recortes, enfim, usam e abusam do novo, para passar essa idéia de movimento e, como já falei, inovação para o público.


Um dos grandes expoentes dessa vertente, hoje, é o designer Haussein Chalayan, londrino, formado, pela Saint Martins, mesma instituição onde o grande McQueen passou. É impressionante o trabalho dele e sua tentativa de dar movimento aos seus looks na hora do desfile. Fico super babando na tentativa de descobrir o mecanismo que ele utiliza para 'dar vida' a sua obra.




Esse vídeo traz a coleção de verão de Chalayan do ano de 2007. Ele, na minha humilde opinião, exprime basicamente a idéia do movimento futurista. Como falei, é fantástica a idéia de contrução/descontrução/movimento/dinamismo trazidos para a passarela. Fico imaginando a emoção das pessoas presenciando esse desfile incrível. Eu ficaria boquiaberto, certamente.


Também temos alguns estilistas nacionais que trabalham com esse conceito, como a Glória Coelho e seu filho Pedro Lourenço, que vem, como já devem saber, nas passarelas internacionais. O trabalho de ambos é bem bacana, sempre apostando na inovação de tecidos, cortes, aviamentos, etc.

Eu sou super fã,como já disse por aqui, da utilização de plissados, babados, drapes e afins, mas também gosto bastante dessas construções mais geometrizadas, com ar mais 'modernoso', tanto que estou utilizando esses elementos para a produção de uns croquis de outra disciplina (juro que depois coloco aqui para vocês verem).

Por enquanto é isso. Espero que tod@s consigam captar a idéia dessa movimento de vanguarda e que utilizem isso nas suas criações. Um forte abraço.

Imagens: Reprodução
35

EMOS: Suas Origens, Concepções, Ideais e Estilo de Vida*




CULTURA EMO: SURGIMENTO

De acordo com Helal (2010), a criação dos diversos grupos juvenis sofreu grande aumento no final do século XX, em conseqüência da fragmentação cultural, o que possibilitou o surgimento de grupos ligados por idéias, causas e comportamento, sendo uma maneira dos adolescentes representarem seu estilo, vivenciando o pertencimento de grupo. O mesmo autor defende a idéia de que o aparecimento de tribos urbanas está relacionado a uma alternativa diante daqueles grupos formais existentes na sociedade (família, igreja, etc.), uma vez que esses deixam de representar o modo de vida do mundo em que vivemos atualmente.

É nesse contexto de modificações na nossa estrutura social que aparecem os Emos, abreviação da expressão em inglês Emotional Hardcore, que foi dado ao estilo musical influenciado pelo Punk. A música Emo surgiu na década de 80, em Wahington DC, misturando o som pesado com letras românticas e introspectivas, tratando de temas como brigas entre namorados, conflitos familiares e revolta contra o sistema político vigente. Dentre as bandas que participaram da criação desse estilo, podemos citar a Rites of Spring, Embrace e 7 Seconds and Scream que tinham um som parecido com o Punk, mais com um ritmo mais leve e, como citado anteriormente, com letras mais introspectivas. (SIMÃO, 2008)

Segundo Nogueira (2008), o surgimento da tribo Emo é uma conseqüência assistida depois da Segunda Guerra Mundial, assim como vários outros grupos. Esses tentavam, através da música, mostrar toda sua indignação diante do horror trazido pelo regime em que se encontravam. A mesma autora trata do surgimento da cultura Emo como a fusão do jeito de ser rebelde dos Punks do final dos anos 70 com o Indie Rock, característico dos anos 60, que expressava uma maneira mais comportada.

Com o passar do tempo, houve algumas modificações na estrutura principal que guiava o estilo de música Emocore. Abandona-se a batida pesada e o som grosseiro do Punk e adota-se de uma vez por todas a estética mais suave, mais melodramática, com letra e tom musical bem romântico. (SIMÃO, 2008)

É com essas fusões de estilos e modos de ser que o Emocore chega ao Brasil, provocando nos grupos juvenis uma identificação frente ao comportamento e o modo de vestir dos jovens norte-americanos, não sendo, portanto, modificado nenhum de seus padrões originais para se enquadrar na cultura brasileira. Algumas bandas de destaque no cenário brasileiro são a Fresno, uma das primeiras a adotar essa nova estética, e a NX Zero. (NOGUEIRA, 2008)

CONCEPÇÕES, IDEAIS, SEXUALIDADE

A segmentação Emocore preconiza e pratica a tolerância sexual. Muitos emos afirmam que o estilo de vida se assemelha à sexualidade, pois preferem não inibir suas emoções e seus desejos sexuais. A maioria emocore é bissexual, acreditando na “dispersão do amor” justificada pela idéia conceitual de que não se distingue homens, mulheres e suas opções sexuais.

Segundo Regina de Assis, doutora em Educação, formada pela Universidade Columbia, a tolerância é o traço de comportamento que distingue os emos de outros jovens. Essa tolerância se reflete na sexualidade, visto que existe uma flexibilidade em relação a esse tema, pois homens e mulheres se relacionam entre si, ocorrendo relações entre o sexo oposto e entre o mesmo sexo.

A cultura emo defende a liberdade de expressão, opondo-se a qualquer tipo de preconceito. Essa livre expressividade emocional é visualizada pelos carinhos e demonstrações afetivas em público, no qual garotos e garotas se beijam e se abraçam como forma de expor seus sentimentos, evitando formas qualquer de repressão.

A “tribo” dos emos se define como um grupo extremamente emocional e que prefere expor ao invés de reprimir. A intensidade de seus sentimentos é vista de maneira preconceituosa por algumas pessoas que não compreendem essa segmentação social. A luta contra o preconceito é uma das características importantes dos emos, visto que esses são atingidos por porções sociais que os excludem.

Os principais pontos de discussões a respeitos dos Emos é a identidade, preconceito e relações grupais. Segundo Leni (1989), é no contexto grupal que cada pessoa se identifica com outra e ao mesmo tempo diferencia-se de cada uma dela, isso porque mesmo fazendo parte de um determinado grupo, cada pessoa tem sua personalidade, o que é único em cada individuo.

A definição grupal de cada indivíduo também se dá por características comuns ao dos outros membros. Dessa maneira, a identidade da vazão à organização da realidade vivida pelos indivíduos participantes do grupo, o que torna o convívio quase familiar.

Os Emos transparecem suas crenças, concepções e pensamentos de maneiras simbólicas e com poucas expressões verbais. O que mostra o que realmente são os emos são suas roupas, estilo musical, uma certa estranheza de comportamento, que muitas vezes os levam a auto exclusão.

A mídia é algo que vem ajudando os Emos a se “libertar” até certo ponto do preconceito. A peculiaridade das roupas, grandes franjas coloridas, que cobrem os rostos, o uso de acessórios, a maquiagem também era alvo do preconceito e perseguição onde quer que eles se encontrassem, principalmente nas escolas, já que a maioria dos adeptos desse grupo são adolescentes.


Esse preconceito contra os Emos é definido como emofobia. Algumas características psicológica dessa tribo urbana também da vazão para o preconceito, como, por exemplo, o exagero de carinho e sensibilidade demonstrados pelos membros do grupo do mesmo sexo é sofre questionamentos. Por exemplo, é comum que meninos e meninas se beijem na boca aos se cumprimentarem ou tristeza demasiada por um assunto banal contidiano, tal como uma menina acordar chorando como percebe que sua coruja de pelúcia caiu embaixo da cama enquanto ela dormia. Por isso, os Emos são definidos por outras tribos como homossexuais. (FEITAS, 2010)

Os Emos tem ideais admiráveis que deveriam ser seguidos. Eles tem verdadeira repulsão por pessoas violentas, qualquer tipo de agressão física é altamente reprovada por eles. Os Emos parecem lutar sem armas por um mundo sem violência. O fato de eles não economizarem nas demonstrações públicas de carinho e o de serem pacíficos à intolerância de outras tribos os tornam alvos fáceis da intolerância. Eles pregam a tolerância em todos os sentidos, inclusive na opção sexual. Os Emos costumam dizer não às drogas e ao álcool, embora isso não seja uma regra. Por causa dos desestímulos e rejeição social por grande parte das pessoas os Emos expressão suas opiniões através daquela que se tornou o principal meio de disseminação dessa cultura, a Internet. Com seus blogs, fotoblogs, diários on-line, redes sociais, como o Orkut, e outras que fizeram o preconceito reduzir um pouco e os tornassem a “onda de momento”, ou seja, ser Emo está na moda.

ESTILO EMO E MODA

O estilo emo expõe a identidade dos membros dessa segmentação social. A maneira de se vestir expressa o humor, os ideais e a emotividade. A moda é interpretada por quem a vê, gerando diferentes opiniões e tendências, que são características da tribo dos emos, vistos que esses se vestem de maneira específica e com peças que os classificam e que os separam de uma grande porção da sociedade.

O emocore usa camisetas com estampas infantis, com caveiras, com símbolos de suas bandas preferidas, com estrelas, poás, listras e xadrez. As calças são de corte tipo skinny, das clássicas pretas e brancas as cores chamativas, fortes, gritantes. Os acessórios, como cintos, bonés e bolsas apresentam tachas ou rebites, os sapatos tipo all-star são uma característica forte dos emos, muitas vezes usados com cadarços coloridos, seus colares ou pulseiras são inspirados em personagens em quadrinhos como Wilma Flinstones. É importante destacar que cores neutras ou coloridas são usadas de acordo com o estado emocional dessa tribo estudada.

A maquiagem é utilizada de uma maneira extremista, os olhos são fortemente marcados por lápis de olho, delineador preto, rímel, sombras escuras. A boca e a pele são maquiadas neutramente. Os cabelos, normalmente pretos e lisos, apresentam franjas dispostas lateralmente, cobrindo um dos olhos.

O preconceito atinge o grupo dos emos, visto que eles apresentam caracterizações específicas, que não agradam a todos. A maneira de se vestir, o modo comportamental, as idéias e as opções sexuais, muitas vezes não compreendidas pela sociedade, os dispõem em um nicho excludente.


*Trabalho apresentado para a disciplina de Antropologia da Moda. Autores: Carpgiany Santos, Nara Martins, Pedro Oliveira e Roberta Kelvia

Imagens: Reprodução

Estampa daí que eu Estampo daqui.

Bom,
vou logo avisando que meu sumiço das redes sociais (principalmente do blog) tem motivos. Além de seminários, croquis, estágio e etc. estou, junto com umas colegas, desenvolvendo uma estampa para avaliação final de uma disciplina. O que posso falar até agora é que está sendo uma experiência super bacana pra gente (nunca tinha trabalhado com estamparia, mesmo adorando ilustração).
Resolvemos, depois de muito pensar, unir três gostos pessoais e acabamos tendo uma inspiração um tanto quanto inusitada (pelo menos pra mim). O que vocês diriam da mistura entre a Art Nouveau e o Surrealismo? Pois é, resolvemos apostar nas curvas (até meio naturalistas) do primeiro movimento e o irreal do segundo.
Essas foram as imagens que a gente escolheu para montar os painéis de inspiração e eles tem muito do que a gente está colocando na estampa (lógico!)




Vou confessar que tenho uma queda enorme pela Art Nouveau. Acho ela extremamente rica, mesmo não tendo sido um movimento tão expressivo. Já não posso dizer o mesmo do Surrealismo, por isso que tá sendo bem desafiadora essa 'missão'. Espero que o resultado fique bacana. Depois mostro para vocês. Abraços!

Imagens: REPRODUÇÃO
0

Toy and Me

Passando super rápido só para dar à vocês uma super dica: está acontecendo, desde o dia 20 de outubro, uma exposição sobre toy art lá na livraria Cultura. Um local bem improvável para receber esse tipo de mostra, não é?!! Mas a intenção é super bacana e vários artistas e designers brasileiros estão com trabalhos expostos. Dentre os quais, podemos citar Glória Coelho, Lino Villaventura e Jun Nakao. Interessante, não?!!


Terei que ir lá para fazer uma pesquisa de campo de uma disciplina da faculdade. Podemos marcar uma dia bem bacana para tomar um cafézinho lá vendo esses toys, não acham?!! Abraços!

Serviço:

O que: Exposição Toy and Me
Onde: Livraria Cultura (Shopping Varanda Mall - Av Dom Luiz, 1010)
Quando: De 20 de outubro à 20 de novembro
Hora: seg à sab - 10h às 22h
Dom e feriados - 14h ás 20h

Irmãs Univitelinas Separadas na Maternidade

Será que só eu acho a cara de uma o fucinho da outra???

Leighton Meester - a Blair de Gossip Girl

Isabelle Drummond - Eterna Emília do Sítio do Picapau Amarelo

Duas atrizes lindas, finas e talentosíssimas separadas por 08 anos de diferença. Abraços!
0

Emma Hack - Body Artist


Mais um post construído através de um e-mail que recebi. Pois é, já fazem algumas semanas que deveria ter postado sobre isso, mas, como expliquei anteriormente, o tempo não foi tão generoso comigo. Enfim, estamos nós 'cá aqui' outra vez.

Vocês já conhecem a Emma Hack??!!! Não. O referido e-mail era sobre o trabalho da mesma. Eu achei magnífico e resolvi pesquisar mais sobre a vida e obra da artista. Ela, ilustradora, fotografa e escultora, já ganhou vários prêmios e tem um diferencial super importante no seu trabalho: ela ilustra corpos, fazendo instalações de arte com outros materiais. O resultado é incrível e cada vez mais detalhado. Veja um pouco:






Esse vídeo é super bacana e mostra um pouco do passo-a-passo das criações dela. Achei também incrível.


Emma é autraliana, tem apenas 21 anos e está sempre evoluindo na sua técnica, elevando ainda mais o grau de mimetismo entre o corpo pintado de sua modelo e o fundo que ela utiliza. É belíssimo, não acham?? Espero que essas imagens sirvam de inspiração para vocês. Bom trabalho e ótima terça-feira. Abraços!

Fonte: EmmaHack
2

Sacolas Criativas - Photos du Jour


Sei que a super onda agora são as ecobags. Acho bem bacana a iniciativa e confesso que sou adepto delas. Mas, também temos espaços para criações engraçadas, não é?! Pois bem, recebi ontem a noite um e-mail com umas imagens que, acho, agradarão a alguns de vocês (os que ainda não tiverem visto, lógico). Vamos lá:







Bem legal, não é?!! Eu, particularmente, gosto muito desse caracter lúdico na moda e acho que ele poderia ser bem mais explorado. Abraços e Bom dia!


Moda e Decoração: Entrelaçados pelo Design.


Vocês também concordam que fazer moda está na moda?!?! Não é de hoje que tenho esses pensamentos. Antes mesmo de entrar para o curso de Design, isso já meio que me atormentava, pois, de um lado, isso é ótimo para a divulgação da profissão e para o engrandecimento do profissional, mas, por outro, favorece para uma a criação de uma moda sem discussão, ligada vida "linda" do glamour e do sucesso. Mas é impossível negar que a moda hoje esteja ligada a diversos setores, como arquitetura, decoração, cinema, etc. E essa é uma relação de troca, porque também vemos esses outros setores influenciando demasiadamente a criação de moda.

E é nesse sentido que queria trazer para vocês um pouco dessa influência da moda na arquitetura e na decoração de casas e a fins. Essa idéia surgiu quando eu estava andando pela cidade e vi vários outdoors com propagandas de lojas de decoração trazendo algumas modelos para suas campanhas. Me fiz a pegunta: "oxe, a propaganda é da decoração da casa ou da roupa da modelo??". Isso porque moda e decoração de casas estão cada vez mais entrelaçados nessas camapanhas.

Então, resolvi pesquisar algumas coisas na internet e achei um site super bacaninhas, com imagens bem legais, com essa mesma discussão. A matéria, intitulada "A Decoração imita a Moda ou a Moda imita a Decoração?", da arquiteta Joyce Diehl, traz alguns elementos (tendências) que saem das passarelas direto para objetos decorativo, como uso couro, jeans e cartela de cores bem parecida com as que foram utilizadas por estilistas.


Essa tendência se torna mais evidente ainda com a criação de objetos de decoração com a assinatura de grandes estilistas, como é o caso da Armani Casa, Calvin Klein Home, Diesel, Fendi Casa, Zara Home, etc. Esses utilizam elementos (texturas, formas, cores) de suas criações para a criação de peças, como cortinas, cadeiras, sofás e luminárias.


E isso não acontece só com grifes internacionais não. Acabo de ver aqui uma linha que o Ronaldo Fraga fez em parceria com a Tok&Stok, seguindo os passos de Alexandre Herchcovitch e Amir Slama.


Falando nisso, vale super apena conferir o mega evento de decoração e design que está acontecendo na cidade. A Casa Cor desse ano, com o tema "Felicidade - sua casa, sua vida , mais sustentável e feliz", vai até o dia 30 de novembro e traz inovações riquíssimas ligadas ao eco-design. Uma ótima oportunidade para buscar inspirações e para ver o que se tem de mais novo no mercado decorativo.



Serviço:
Onde: Av. Barão de Studart, 2917.
Quando: de 20 de out. a 30 de nov.
R$: 30,00 (inteira) e 15,00 (meia). Menores de 10 anos não pagam.

Espero que essa pequena pesquisa posa ajudá-l@s a começar um debate relacionado ao tema e que sirva de inspiração no seu processo criativo. Abraços e até logo.

Fonte:
0

Ceará Summer Fashion


Bom dia querid@s leitores. Acho que já sabem o porque do sumiço (trabalho, faculdade e afins). Pois é, mas agora as coisas estão voltando para o eixo e vou tentar administrar meu tempo para não deixar vocês na mão. E para a minha volta das cinzas (#fenixfellings) nada melhor do que um evento fashionista. Pois é, hoje iniciam-se as atividades do Ceará Summer Fashion, que na sua 26ª edição tem o tema Renda Gera Renda e promete discutir e por em evidência a arte presente no nosso estado. Com um line up bem diversificado, o CSF é uma oportunidade das marcas locais apresentarem o seus produtos e trocarem experiências, além de favorecer negócios na área.


Além de muitos desfiles com globais, o evento também vai ser um espaço para discussão (obaaa!) sobre tendências de moda para o verão e consultoria de moda (IMPERDÍVEL).


Eu já estou com minha credêncial na mão. Por conta de alguns trabalhos inadiáveis, acho que não vai dar para acompanhar os desfiles, mas tentarei está presente nas palestras, com certeza. Abraços e até lá.

Fonte: CSF

Aquisições do Dia

Vocês já sabem que piro quando o negócio é teoria de moda, né??!! Então... hoje, cheguei no trabalho e tive uma grande (Grande) surpresa. Minha querida coordenadora me presenteou com alguns itens de sua imensa biblioteca. Ela já foi professora do curso de Estilismo e Moda da UFC e guardava esses 'souvenirs' na sua estante. Eu fiquei, lógico, super grato e já peguei um dos tais para ler.

Vamos a listinha:


Plugados na Moda - Nízia Villaça & Kathia Castilho
Moda e Linguagem - Kathia Castilho
Moda Brasil: fragmentos de um vestir tropical - Kathia Castilho & Carol Garcia


O Novo Luxo - Kathia Castilho & Nízia Villaça
Vitrinas em Diálogos Urbanos - Sylvia Demetresco


Eu super peguei já o Moda e Linguagem para folhear. Ele propõem uma análise na semiótica e na comunicação que é passada através da roupa, passando por desejos internos, composição da vestimenta, aspirações e os códigos da moda. Estou adorando. Depois coloco aqui mais informações dessas leituras. Abraços!

0

Rádio do BlogsDeModaCE

Olá Querid@s
Post super rápido só para avisar para vocês que a playlist da Rádio do Blogs de Moda CE dessa semana é minha e está bem animadinha. A proposta foi bem simples: aproveitei o Dia das Crianças para fazer uma list super leve, com músicas com arranjos um tanto quanto infantis e com uma pegada bem dançante.



Não deixe de conferir e, se possível for, deixe sua sugestão, critica, etc. Abraços!
0

A Natureza Bruta de Sarah Burton

É como diz a critica especializada: a idéia realmente não morreu. Depois de muitas especulações a cerca do que seria do futuro a grife sem Alexander McQueen, Sarah Burton prova porque e para que passou 16 anos de sua vida trabalhando com ele. Com um desfile bem executado, cheio de estampas, silhueta dramaticamente marcada, chifons a perder de vista e inspirações que lembram o período gótico/medieval, a nova diretora criativa da marca é, agora, uma das grandes apostas do mundo da moda. Algumas pessoas ainda falaram que faltou muita coisa nesse desfile (a alma de L'enfant Terrible não estava lá), mas acho que ele foi elaborado justamente dentro da nova perspectiva da A.M, que passa agora por um período de maior suavização e feminilidade (não que a obra do Alexander não fosse feminia, lógico!)





Gostei bastante da simplicidade dela e dessa nova roupagem que ela está dando a grife. Espero que ela continue trazendo um pouco do pensamento de Lee Alexander para as passarelas e que possa, ao mesmo tempo, se mostrar e colocar suas características nas peças. Abraços!

Fonte: CM
Back to Top