Pages

Década de 20... A era do Jazz... Adoro!



A década de 20 tornou-se conhecida como a Era do Jazz, isso porque foi animada pelo som das bandas de jazz e pelo charme das melindrosas, mulheres modernas da época . Esse período é composto de prosperidade e liberdade.
As mulheres baseavam-se nos trajes das atrizes famosas, como Glória Swansin, Mary Pickford , Josephine Baker cantora e dançarina que provocava alvoroço em suas apresentações usando sempre trajes ousados para época. Nos anos 20 as silhuetas eram tubulares , as mulheres ficam livres dos espartilhos , usados até o final do século 19, os vestidos tornam-se mais curtos , leves e elegantes geralmente produzidos em seda, deixando braços e costas á mostra. As meias possuíam tons de bege , o que sugeria pernas nuas, o chapéu é fica sendo utilizado apenas no período diurno, o modelo mais popular era o “cloche”, enterrado até os olhos , que só podia ser usado com Cabelos curtíssimos, a “La garçonne”, como era chamado.
A mulher sensual era aquela que não possuía curvas definidas, seios e quadris pequenos e a atenção estava toda voltada para os tornozelos. A década de 20 foi marcada por diversos acontecimentos mundiais que de certa forma influenciaram direta ou indiretamente a moda nesse período.
Em 16 de janeiro de 1920 , os Estados Unidos , estendem “Lei Seca”, que proibia a venda de bebidas alcoólicas em todo o pais . Depois de 81 anos de luta as mulheres americanas conquistaram o direito de voto, nesse ano também realizaram –se as primeiras transmissões públicas e regulares de rádio nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha.
Inicia-se o ano de 1921, Rodolfo Valentino volta ao cinema com o filme “O Sheik”. A mulher moderna troca o corpete por um visual mãos audacioso, o tamanho das roupas intimas diminui , mas sua importância aumenta. As mulheres que trabalham fora gastam metade do salário em ligeries, nos Estados Unidos 8 milhões de mulheres trabalham fora de casa.È lançado o perfume “Chanel nº 5” , ainda hoje um dos mais vendidos no mundo e o primeiro que se afirma claramente como uma fragrância artificial.
Em 1922, esse ano marca a história da literatura mundial por suas criativas e inovadoras produções literárias. Outubro desse ano Mussolini chega ao poder na Itália e em novembro, os arqueólogos lorde Carvanon e Howard Carter encontram a tumba do faraó Tutankhamon.
Em 1923, “Contos da Era do Jazz”, uma coletânea de contos do escritor Scott Fritzgerald,é o sucesso literario do momento, Bessie Smith, cantora negra de blues , grava seu primeiro disco.Em abril nos Estados Unidos , a febre da dança se alastra por todo o pais, é época dos campeonatos e maratonas dançantes.
Inicia 1924. Com estréia de “Rapsody in Blue” a fusão da industria do cinema norte americano, novembro desse ano é marcado pela eleição da primeira mulher para governadora do Texas .
Em 1925, Chaplin transforma sapato em comida no filme “Em Busca do Ouro”, considerado seu filme mais elaborado. Nessa época, a dança Charleton, criada na Carolina do Sul, nos EUA, é a grande sensação nos bailes. 31de maio a exposição “Artes Decorativas” é o evento artístico mais importante do período pós - guerra. A expressão “art déco” já começa a ser utilizada amplamente.Em outubro a cantora e dançarina Josephine Backer provoca alvoroço com a sua apresentação no Teatro Champs-Elysées em Paris.Novembro os surrealistas Pablo Picasso e Joan Mirò mostram seus trabalhos em Paris.
O inventor escocês John L. Baird apresenta uma nova máquina capaz de transmitir imagens em movimento sem utilizar fios em janeiro de 1926 é o passo inicial para o que viria a ser a televisão. Os norte- americanos ficam encantados com a atriz do filme “Tentação” , Greta Garbo. Nesse mesmo ano nasce o chamado “pretinho básico”, quando a revista norte americana “Vogue” publica a ilustração de um modelo desenhado pela francesa Coco Chanel- primeiro entre os vários que a triz iria produzir ao longo de sua carreira, 1927, a mulher moderna pede liberdade de movimentos e a moda parisiense já mostra as novas roupas que reduzem os bustiês e estreitam os quadris. A silhueta esbelta faz com que as mulheres fiquem cada vez mais parecidas com os rapazes, o que é acentuado com o novo corte de cabelo “La garçonne”, ainda mais curto que os já usados. A simplicidade é a marca do estilo. Em 6 de outubro estréia em Nova York , o primeiro filme falado da história cinematográfica.
Em 1928, o governo dos Estados Unidos enfrenta um grave problema de desemprego. Avalia-se que , em junho , cerca de 4 milhões de pessoas estão sem emprego no país.
Coco Chanel é a síntese da nova mulher dos anos 20, ela alcança o auge do sucesso no mundo da moda no ano de 1929 . Esse final de década é marcado pela quebra da Bolsa de Valores de Nova York , provocando a perda de milhões de dólares.



A MODA NO BRASIL NA DÉCADA DE 20
Com a riqueza dos produtores de café, seus filhos puderam estudar na Europa, entrando em contato com as correntes modernistas em pleno fervor intelectual e artístico. Esses jovens foram influenciados a questionar a arte e os valores da época, apregoando um primeiro movimento nacionalista no país, que valorizava a cultura autóctone e refletia sobre o que seria uma identidade brasileira. O ápice desse movimento resultou na Semana de Arte Moderna realizada no ano de 1922, data em que o país comemorava o Centenário da Independência.
Apesar dos movimentos culturais em busca das raízes brasileiras, a moda segue o que dita a França, a despeito do clima e das diferenças de estação. Como exemplo, temos a própria Tarcila do Amaral que casa usando um vestido do estilista francês Paul Poiret.
No âmbito da moda surge a melindrosa, criada pelo caricaturista J. Carlos. Símbolo da mulher brasileira da época, já indicava um rumo para a sensualidade, traço que figura entre os principais da moda brasileira atual.
Em 1927 foi realizado no Mappin Stores (loja direcionada para a elite paulistana que se destacava por vender basicamente mercadorias importadas) o primeiro desfile de moda numa loja da cidade, passando seus desfiles a ser reprisados duas vezes ao ano, uma no inverno e outra no verão.
Em 1929 acontece a quebra da bolsa de Nova York, o que ocasiona a quebra do império do café no Brasil. Entretanto, para a moda, o final dessa década reserva um acontecimento marcante: surge o primeiro nome da moda nacional – Mena Fiala, nascida em Petrópolis e criadora talentosa de vestidos de noiva, que se consolidou no Rio de Janeiro ao longo da década de 30.
Como podemos perceber a moda no Brasil, neste período, era ditada pelas tendências européias, e apenas a classe dominante tinha o privilegio de consumi-las. E somente com o fim do poderio da classe dominante é que surgem novos rumos para o ramo da moda. A primeira estilista de renome é Mena Fiala que trabalha com vestidos de noiva e esta vai agora produzir peças para a nova elite brasileira.

OS ESTILISTAS DE DÉCADA DE 20


Gabrielle Coco Chanel
A década de vinte os grandes estilistas eram mulheres, como madame Paquin, Madeleine Vionnete, mais a que mais se destacou sem a menor sombra de duvida foi Gabrielle Coco Chanel. Nascida em Saumur, na França, Chanel mudou-se para Paris aos 16 anos iniciando sua vida profissional em uma loja de chapéus. Chanel teve uma vida rodeada de pessoas ilustres, Como Pablo Picasso e Salvador Dali e de amantes.
Chanel libertou a mulher das roupas desconfortáveis, cheias de faixas, cintas e corpetes apertados ela introduziu na alta-costura o jérsei de malha, os trajes de tecidos xadrez e a moda escocesa, com blusas de malha fina, as calças boca-de-sino, as jaquetas curtas e os casacos cruzados na frente e acinturados em estilo militar.Para a noite, vestidos em negro metálico, vermelho escarlate ou bege. Laços e paetês eram os únicos enfeites e não impediam que as mulheres se movimentassem com rapidez, como pedia a estética de um século onde tudo se tornava automatizado.
Ela também introduziu na sociedade da moda o bronzeado, fazendo surgi os primeiros trajes de banho em que as costas ficavam praticamente toda a amostra. Chanel só encontrou concorrência em Elsa Schiparelli.


Elsa Schiaparell
Elsa Schiaparell nasceu em Roma na Itália. Ao contrario de Chanel, que criava roupas funcionais, ela criava coisas exóticas e surrealista, chegando inclusive a trabalhar com Salvador Dali. Sempre utilizando bordados e cores fortes. Ela inovou nos materiais utilizados em suas roupas, como o zíper o crepe de seda e o celofane. Todos esses novos materiais, como a fibra sintética, possibilitaram que Elsa executasse todos os seus sonhos surrealistas.


Jean Patou
Outro nome importante foi Jean Patou, estilista francês que se destacou na linha "sportswear", criando coleções inteiras para a estrela do tênis Suzanne Lenglen, que as usava dentro e fora das quadras. Suas roupas de banho também revolucionaram a moda praia.
Patou também criava roupas para atrizes famosas.

Parte do trabalho desenvolvido na disciplina de Têsteis e Vestuário - UFC
Componentes: Eliz Braga, Jani Queiroz, Luci Tavares e, lógico, YO!

1 Gostou? Comenta Aqui!:

estefane carolaine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Back to Top